Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Tales

(...) cá estou eu, por aqui, a fingir que sou eu que por aqui estou (...)

Red Tales

>> Cuidemos de Todos Cuidando de Nós <<

 

Alguns dos textos aqui contidos são de cariz sexual e só devem ser lidos por maiores de 18 anos e por quem tiver uma mente aberta. Se sentir algum tipo de desconforto com isso ou se não tiver os 18 anos ou mais, por favor SAIA agora.

Ana Paula

Junho 24, 2015

Gosto da maneira bem comportada e respeitosa da Ana Paula, embora ela por vezes descambe e me obrigue a castigá-la. Ainda ontem se recusou a andar na rua de trela. Como castigo, assim que entramos no elevador do nosso prédio, virei-a para mim e ordenei-lhe:

- Ajoelha-te. Vou ensinar-te a não me dizeres “não”.

Assim que ela se ajoelhou, parei o elevador, dei-lhe uma chapada no rosto e, de dedo indicador em riste, disse-lhe em tom severo:

- Que seja a última vez que me dizes “não”, ouviste?

- Sim, desculpa.

- Agora não vale de nada pedir desculpa. – Dei-lhe outra chapada. – Chupa-me!

- Aqui?

- Estás, outra vez, a meter em causa o que mando?

- Não, claro que não. Só tenho medo que apareça alguém. – Enquanto falava abriu alguns botões das minhas calças e pôs-me a excitação para fora. Dei-lhe nova chapada:

- Chupa-me, Ana Paula. Chupa-me já. Ninguém vai aparecer; parei o elevador entre dois pisos.

- Sim. – Meteu-me na boca, chupou-me, lambeu-me e masturbou-me – queres te vir na minha cara?

- Não. Quero que te levantes, que te vires de costas, que te apoies no espelho, que levantes a saia e supliques para eu te foder.

Ela fez tudo que mandei, mas apoiou-se só com a cabeça e com as mãos abriu a vulva enquanto me dizia:

- Foda-me, senhor. Por favor: foda-me.

Antes de fazer o que me pedia, aproximei-me dela, empurrei-lhe a cabeça contra o espelho e dei-lhe várias palmadas no rabo dizendo entre cada uma:

- Nunca mais me desautorizas!

- Nunca mais me desautorizas!

- Nunca mais me desautorizas!

Quando a Ana Paula já tinha o rabo bem vermelho, disse-lhe:

- Agora vou enterrar-me em ti até que o meu esperma escorra pelas tuas fantásticas pernas.

Puxei-lhe o cabelo para trás e penetrei-a, entrando e saindo da sua vulva até detonar um violento orgasmo e, tal como prometido, ver o meu esperma escorrer-lhe nas pernas.

 

 

  

 

 

 

Ana Paula

Junho 23, 2015

Eu e a Ana Paula somos sexualmente muito ativos e aproveitamos todos os momentos para nos entregarmos um ao outro. Noutro dia fomos “praiar” e pelo caminho apanhamos uma enorme fila automóvel. Estar ali parado, para além de monótono, não fazia nada o nosso estilo:

- Ana Paula, esta estrada só tem uma via e os carros da frente e de trás não conseguem ver nada. Deita a cabeça no meu colo e põe-me dentro da tua boca.

- Aqui? Deves pensar que

- Cala-te e faz o que mando! – Disse-lhe enquanto a puxava pelo cabelo para o meu colo.  

- Sim, desculpa – Já no meu colo, abriu os meus calções, tirou-me já ereto e húmido do interior deles e pôs-me dentro da boca. Pensava que não era possível, mas quando senti o calor e a humidade da boca da Ana Paula, ao ver o movimento de vai e vem da sua cabeça, cresci ainda mais. Desliguei o rádio para ouvir melhor os sons que fazia a chupar-me. Agarrei-lhe na cabeça pelo cabelo e ajudei ao movimento. Alternava essa “ajuda” com palmadas no rabo da Ana Paula e com autênticos apertões nas suas mamas.

Infelizmente a fila começou a andar e não acabamos o que começamos. Chegados, estacionei, confesso que já, ou ainda, a pensar no corpo da Ana Paula. Na areia, estendeu a toalha, despiu o vestido e revelou, dentro do biquíni, o maravilhoso corpo que me deixa totalmente louco:

- Vamos para a água! – Disse-lhe.

- Já?

- Sim, já!

Na água, puxei-a para junto de mim, pus-lhe as mãos nos ombros, virei-a de costas e, disfarçadamente, apertei-lhe os mamilos:

- Luís, estás a magoar-me.

- Quero lá saber. Põe as mãos nos meus calções, põe-me cá fora e dentro de ti.

- Agora?

- Já!

Ela, de imediato, pôs os braços para trás, mãos dentro dos meus calções, tocou-me e, como sentiu que eu já estava pronto, pô-lo fora dos calções e dentro dela:

- Ana Paula, estou a dar em louco e não consigo fazer isto disfarçadamente. Consegues masturbar-me sem dar nas vistas?

- Acho que sim.

Tirou-me de dentro dela e virou-se. Agarrou-me e, para não dar nas vistas, masturbou-me fechando e abrindo a mão enquanto me dizia:

- Imagina que é a minha boca e que vais explodir nela. Vem-te, Luís. Vem-te para mim. Vem-te.

Não aguentei muito tempo e tive um brutal orgasmo. Um arrepio percorreu as minhas costas:

- Ai, Ana Paula. Deixas-me louco. Vira-te e encosta-te a mim. – Disse-lhe, ainda a tremer.

Ela fez o que mandei e encostou-se a mim. Costas no meu peito. Abracei-a e deixei que os meus dedos alternassem entre acariciar-lhe o clitóris e penetrá-la bem fundo. Deixei que encostasse a cabeça no meu ombro e sussurrei-lhe:

- Imagina que é outra parte de mim que te está a penetrar e vem-te na minha mão. Vem-te, querida.

Passados alguns segundos, senti, nos dedos, as paredes da vulva contrairem e ouvi a Ana Paula a reprimir um gemido:

- Foi tão bom, Luís. Tão intenso.

Sorrimos.

 

 

  

 

 

Ana Paula

Junho 21, 2015

Conhecia a Ana Paula apenas da net, mas a primeira vez que a vi pessoalmente a cumplicidade foi imediata. Combinamos beber café e sabíamos que as fotografias que trocamos nos ajudariam a reconhecermo-nos. Quando cheguei ao local combinado, uma típica esplanada Lisboeta, reconheci logo a Ana Paula:

- Posso sentar-me?

- Luís?

- Sim.

- Claro, senta-te.

A voz da Ana Paula era ainda mais sensual e quente que aquilo que conhecia da net. No entanto, sem falsas modéstias penso que pela minha presença, engasgou-se ao falar. Ruborizou um pouco, sorrimos e sentei-me. Sem conseguir tirar os olhos dela: sentei-me.

- Que queres beber? – Perguntou assim que me sentei. Pareceu-me que a disfarçar o nervosismo.

- Uma água. – Sabia que ia precisar dela: a Ana Paula tem sempre esse efeito na minha garganta. Bastaram dois minutos para a minha suspeita se confirmar e a água ser necessária. Conversamos durante horas. Tempo que me pareceu apenas um brevíssimo e rápido instante. Só a luz, a falta dela, avisava que já passara algum tempo. Muito tempo.

Tal como na net, a conversa tornou-se rapidamente em fonte de muito calor:

- Ana Paula, disfarçadamente mostra-me uma mama.

- Aqui? És maluco?

- Faz o que te mando.

- Desculpa. Espera.

- Assim já pareces tu. Bem comportada. Como eu gosto.

Como lhe mandei, com o cuidado de ninguém notar, desapertou dois botões da camisa branca, pôs uma mão lá dentro, desviou o soutien de cetim branco e mostrou-me uma apetecível mama.

- Queres ir para a minha casa e deixar que eu as beije?

Ruborizou novamente e acenou que sim com a cabeça.

Chegados a minha casa ordenei-lhe:

- Despe-te.

Foi o que fez. Observei-a atentamente enquanto se despia na minha frente e destapava cada curva do seu corpo. Quando estava totalmente nua ordenei:

- Agora ajoelha-te e abre a boca!

- Sim.

- Como?

- Sim, senhor.

- Bem me parecia que faltava qualquer coisa.

Tal como lhe mandei ajoelhou-se e abriu a boca. Aproximei-me dela e despi-me. Agarrei-lhe no cabelo pela testa e forcei-a a olhar-me nos olhos:

- Diz-me o que queres.

- Quero-te dentro da

Antes de ela acabar pus a minha excitação e humidade dentro da boca dela e mexi-me como se não houvesse amanhã. Sentir a sua língua enlouqueceu-me totalmente e fez com que eu aumentasse a força com que lhe agarrava o cabelo e amplificasse o meu ritmo.

Empurrei-a para o chão e ordenei-lhe:

- Vai de gatas até ao sofá e dobra-te sobre ele com os joelhos no chão!

Obedeceu-me, foi até ao sofá e implorou-me:

- Penetra-me!

Aproximei-me, ajoelhei-me por trás dela e fiz o que me pediu. Primeiro lentamente, depois com a velocidade dos ventos e depois novamente lentamente:

- Dá-me as tuas mãos – disse-lhe enquanto lhe puxava o cabelo para trás e a melodia proporcionada pelos nossos gemidos era apenas interrompida pelos estalidos que a minha outra mão fazia ao bater-lhe nas pernas.

Esticou os braços para trás e virou as palmas para cima. Agarrei-a pelas mãos com a que tinha livre e elevei-lhas um pouco. Apenas o suficiente para lhe esticar os braços e ouvi-la pedir que parasse:

- Espera! – Disse-lhe enquanto saía de dentro dela.

- Posso algemar-te?

- Podes.

Levantei-me e fui buscar umas algemas:

- Põe as mãos atrás das costas!

- E como me seguro?

- Não seguras. Deitas-te no chão.

- Está bem, senhor.

Pôs as mãos atrás das costas. Algemei-a e, pelo cabelo, forcei-a a deitar-se no chão. Barriga para baixo e pernas bem abertas. Vê-la nua, algemada e totalmente indefesa excitou-me imenso. Deitei-me sobre ela e voltei a movimentar-me com sofreguidão dentro da fonte fresca e húmida que há muito ansiava. Naquela posição, rapidamente explodimos em gemidos e num arrepio que nos percorreu o corpo.

Ainda meio a tremer puxei-lhe, novamente pelo cabelo, a cabeça para cima e segredei-lhe:

- Temos que repetir.  

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Autores